Eu não recomendo Livros

Eu sei onde você está, de Claire Kendal

Eu sei onde você está, livro sobre stalker 1

Eu sei onde você está, romance de estreia de Claire Kendal, lançado no Brasil pela Editora Intrínseca e traduzido por Domingos Demasi, conta a história de uma mulher atormentada por um perseguidor.

Clarissa é uma mulher de quase 40 anos, passando por um recente divórcio. Ela mora sozinha em um apartamento em Bath, na Inglaterra, e trabalha de secretária em uma universidade, onde conheceu seu ex-marido, na época casado com outra mulher.

Foi no trabalho também em que ela conheceu Rafe.

Ela resolveu prestigiar o coquetel de lançamento do livro do colega de trabalho e, depois de algumas taças de vinho, Rafe começou a galanteá-la, até se oferecer a acompanhá-la para casa.

Desta noite, Clarissa lembra de poucas coisas. Sabe apenas que acordou com manchas de sangue entre as pernas, marcas no corpo e o homem dormindo ao seu lado. Depois disso, Rafe passou a segui-la incessante e ameaçadoramente.

Stalkers

A palavra stalker foi popularizada pela internet e assumiu até um tom meio cômico – por pessoas que gostam de acompanhar a vida de um crush nas redes sociais. Mas, na verdade, significa uma pessoa que segue e observa alguém ilegalmente, invadindo a privacidade e o espaço pessoal. Na maioria dos casos, são indivíduos doentes e obcecados.

Rafe criou uma realidade em que Clarissa é sua amante. Ele a espera em frente ao seu apartamento, segue-a pelos lugares, tenta ter contato íntimo forçado, deixa presentes na caixa do correio, etc. A negação e, depois, a frieza de Clarissa parecem incentivá-lo a continuar, a insistir e, mais tarde, a se tornar violento.

Clarissa tentou denunciá-lo à polícia, no entanto, sem uma ameaça real, não poderiam fazer nada. A mulher, então, recorreu a panfletos informativos que ditavam como agir em segurança neste tipo de informação.

“- Está me dizendo que ele tem de me machucar antes de vocês me ajudarem?”

Uma das instruções para as vítimas deste tipo de comportamento é manter um registro por escrito de todas as ações do perseguidor, a fim de ter provas suficientes para um caso. Clarissa começa a levar um caderninho com ela para todos os lugares – o caderno de Rafe –, no qual ela escreve diretamente para ele, como se conversassem. É por isso que há trechos em primeira e em terceira pessoa no livro. (E é por isso também que o título original do romance é The book of you.)

Eu sei onde você está, livro sobre stalker 2

Julgamento

A salvação de Clarissa foi ter sido convocada como jurada de um julgamento que duraria seis semanas, as quais passaria na segurança e proteção da corte. Apesar de realmente manter Rafe afastado durante o dia, o julgamento da mulher, que acusava cinco homens de sequestro e estupro, abalava Clarissa cada vez mais, imaginando-se claramente sentada no lugar da vítima, sendo acusada de mentirosa e tendo de justificar os seus atos.

Além disso, Clarissa começou a se encantar e a ser correspondida por Robert, um bombeiro que também fazia parte do júri. Vê-los juntos só piora a obsessão de Rafe.

Revelações óbvias

Há algo de estranho na trama deste livro. Parece-me que Clarissa demora demais para conectar os fatos e entender o que está acontecendo, principalmente as motivações de seu perseguidor. Ao invés de irmos descobrindo com a protagonista, tudo fica bem mais claro ao leitor desde o começo e as poucas revelações do livro não surpreendem.

A resolução dos conflitos me pareceu apressada e desleixada. Ora Clarissa se mostrava amedrontada, ora se esquecia rapidamente da ameaça de Rafe, tornando a trama confusa e inconstante.

É uma pena porque o tema é bem interessante e um tanto claustrofóbico. O que mais assusta é que algo assim pode acontecer com qualquer um. Todos estamos sujeitos a nos tornar alvos de uma obsessão, seja online, por um stalker virtual, ou “na vida real”, por um estranho ou até mesmo alguém conhecido, do trabalho, da escola, da igreja… Eles vestem muitas carapuças.

E a claustrofobia é por conta do beco sem saída em que as vítimas se encontram, principalmente se forem mulheres. A polícia não pode fazer nada se não houver nenhuma ameaça real, prova concreta ou agressão física.

Ou seja, é necessário que algo de muito grave aconteça para que alguma providência seja tomada. Além disso, a culpabilidade da vítima é muito recorrente e revoltante. O que você fez para obcecá-lo?

Há até um nome para isso: “vítima provocadora”. Aquela que “incita o agente a cometer o delito”, segundo o site Consultor Jurídico.  É um tema no mínimo revoltante e digno de nota.

Trechos de Eu sei onde você está

Eu sei onde você está, livro sobre stalker 3“Henry e as amigas dela não se davam bem, mas, mesmo assim, ela deveria ter encontrado um jeito de obedecer àquela regra primordial, a tal que diz que você nunca deve deixar um relacionamento interferir em suas amizades. Agora Henry se foi, e Clarissa sentia-se envergonhada demais para procurar as amigas novamente.”

“- Nosso corpo é a roupa que repetimos todos os dias. Temos de nos sentir felizes com ele.”

“Você já foi um bebê. O que deve ter acontecido na sua vida para que ficasse assim?”

“Eu sei que, haja o que houver naquela caixa, não deve ser boa coisa. Se eu tivesse um bicho de estimação, não duvidaria que ele estivesse morto ali dentro.”

Sobre o autor

Brenda Bellani

Deixe um Comentário