Especial

Leituras de 2017: 54 livros

Leituras de 2017 - Sobre livros e traduções

Não há como comparar 2017 com 2016. Ano passado eu bati todos os meus recordes e consegui ler 80 livros, coisa que até então eu achava impossível. Em 2017 consegui chegar às 50 leituras, que era a minha meta, apesar de ter diminuído bastante o meu ritmo (ou talvez voltado ao meu ritmo normal?).

Devo dizer que este não foi um dos melhores anos em relação a leituras marcantes, principalmente no primeiro semestre. Até que li algumas obras boas, mas nada que me marcasse de fato ou que me surpreendesse. O segundo semestre deu uma melhorada tanto em quantidade quanto em qualidade.

Metas cumpridas e não cumpridas

Eu estipulei dois objetivos e consegui atingir apenas um: reli toda a série de Harry Potter em inglês e escrevi aqui sobre a experiência; mas não consegui acabar a releitura do Cemitério dos Livros Esquecidos, do Carlos Ruiz Záfon, nem ler o último livro da série, lançado este ano aqui no Brasil pela Suma de Letra. (Faltou O jogo do anjo; vai ficar para 2018, paciência.)

Parece injusto dizer isso, porque eu sou muito fã das duas séries e amei revivê-las, mas ler Harry Potter e Zafón com certeza foi uma das coisas que diminuiu meu ritmo este ano e atrasou as minhas demais leituras. No regrets, valeu muito à pena!

Uma das coisas que eu percebi em 2017 é que eu estipulo algumas metas que só me deixam mais ansiosa e que não vão mudar absolutamente nada na minha vida. Mas o que seria de uma leitora sem metas literárias, não é mesmo? (Uma leitora que lê o que quiser no tempo que precisar, sem pressão nenhuma, talvez? Mas que graça isso teria?)

Minhas leituras de 2017

(Todos os títulos com link levam às suas respectivas resenhas no SLET.)

  1. Harry Potter and The Sorcerer’s Stone – J.K. Rowling
  2. Harry Potter and the Chamber of Secrets – J.K. Rowling
  3. Harry Potter and the Prisoner of Azkaban – J.K. Rowling
  4. Y – O último Homem – Vaughan, Guerra e Martzán Jr.
  5. Antes que eu vá – Lauren Oliver
  6. Por um simples café – Eliane Ganem
  7. O livro dos Baltimore – Joël Dicker
  8. O balanço vazio – Juliano Schiavo
  9. Harry Potter and the Goblet of Fire – J.K. Rowling
  10. Matéria escura – Blake Crouch
  11. Grande irmão – Lionel Shriver
  12. Um reflexo na escuridão – Philip K. Dick
  13. Quem era ela – J.P. Delaney
  14. A viúva – Fiona Barton
  15. Um amor incômodo – Elena Ferrante
  16. Bem-vindo à vida real – Christian Mackay Heidicker
  17. Harry Potter and the Order of the Phoenix – J.K. Rowling
  18. Agora e para sempre, Lara Jean – Jenny Han
  19. As garotas – Emma Cline
  20. Até que a culpa nos separe – Liane Moriarty
  21. Parati para mim – Mattoso, Cuenca e Nazarian
  22. Harry Potter and the Half-Blood Prince – J.K. Rowling
  23. Eu sei onde você está – Claire Kendal
  24. Harry Potter and the Deathly Hallows – J.K. Rowling
  25. Piano vermelho – Josh Malerman
  26. Os 27 crushes de Molly – Becky Albertalli
  27. Meia-noite e vinte – Daniel Galera
  28. Como falar com garotas em festa – Gabiel Bá, Fábio Moon e Neil Gaiman
  29. Ensaios de amor – Alain de Botton
  30. O sorriso da hiena – Gustavo Ávila
  31. Meu amigo Dahmer – Derf Backderf
  32. O curso do amor – Alain de Botton
  33. Retalhos – Craig Thompson
  34. O escultor – Scott McCloud
  35. Ninguém nasce herói – Eric Novello
  36. A sombra do vento – Carlos Ruiz Zafón
  37. Habibi – Craig Thompson
  38. O prisioneiro do céu – Carlos Ruiz Zafón
  39. Por trás de seus olhos – Sarah Pinborough
  40. Tartarugas até lá embaixo – John Green
  41. Mindhunter – John Douglas e Mark Olshaker
  42. A infância de cristo – Carlos Ruas (Um sábado qualquer)
  43. Fique com os deuses – Carlos Ruas (Um sábado qualquer)
  44. Paciência – Daniel Clowes
  45. Outros jeitos de usar a boca – Rupi Kaur
  46. Estamos bem – Nina LaCour
  47. Manual de sobrevivência dos tímidos – Bruno Maron
  48. Stieg Larsson: Antes de Millennium – Guillaume Lebeau e Frédéric Rébéna
  49. Luzes de emergência se acenderão imediatamente – Luisa Geisler
  50. A diferença invisível – Julie Dachez e Mademoiselle Caroline
  51. Eu receberia as piores notícias de seus lindos lábios – Marçal Aquino
  52. Em conflito com a lei – Lucas Verzola
  53. Hinário nacional – Marcello Quintanilha
  54. A sutil arte de ligar o foda-se – Mark Manson

Entre os 54 livros lidos em 2017:

Leituras de 2017 - Sobre livros e traduções

  • Eu resenhei 34 deles;
  • 14 eram de autores(as) nacionais;
  • 24 foram escritos ou coescritos por mulheres;
  • Sete em inglês – apenas a série Harry Potter;
  • 12 histórias em quadrinhos;
  • Seis de não ficção;
  • 17 cortesias da Intrínseca;
  • Três de contos e poesia;
  • Nenhum eBook.

Fico insatisfeita com o número de autores nacionais e de obras escritas por mulheres, mas a média foi praticamente a mesma em comparação a do ano passado. Apesar de ter lido menos do que em 2016, eu aumentei o número de HQS e espero continuar assim.

O meu livro preferido de 2017:

Meu livro preferido de 2017 - Sobre livros e traduções

Com certeza, O curso do amor foi a leitura que eu mais destaquei com post-it, a mais incômoda do ano e também a que mais me mudou para melhor. O que mais podemos esperar de um livro bom, não é mesmo? Eu gostaria de criar um grupo de estudo  só para esmiuçar este livro de todas as formas, ouvindo opiniões, interpretações e experiências pessoais de cada um. Traria aprendizado valiosos!

Outros seis melhores de 2017 (sem ordem específica):

  1. Ninguém nasce herói
  2. A sombra do vento
  3. Habibi
  4. Outros jeitos de usar a boca
  5. Manual de sobrevivência para os tímidos
  6. Eu receberia as piores notícias de seus lindos lábios

Tive de fazer um top 6 porque não poderia deixar nenhum desses de fora! A sombra do vento foi uma releitura que serviu para reafirmar que este é um dos melhores livros da vida. Genial! Até o momento, eu ainda não acabei A sutil arte de ligar o foda-se, mas como estou quase terminando, contei como leitura de 2017; e também foi uma das melhores.

As principais decepções de 2017:

  1. Quem era ela
  2. Bem-vindo a vida real
  3. Agora e para sempre, Lara Jean
  4. Piano vermelho
  5. Hinário nacional
Os livros que me surpreenderam positivamente em 2017:
  1. Antes que eu vá
  2. Tartarugas até lá embaixo
  3. Estamos bem
  4. A diferença invisível
  5. A sutil arte de ligar o foda-se

Tenho uma pilha de livros ainda não resenhados que vai ficar para 2018, mas vários dos livros que eu li agora em dezembro merecem um post no blog. O último mês de 2017 praticamente salvou o resto do ano, porque foi quando o ritmo de leitura mais rendeu e eu li várias obras que me surpreenderam.

Sinto de não ter resenhado Habibi, que foi a HQ mais linda e triste que já li até hoje. Eu tenho uma dificuldade muito grande de resenhar graphic novels e também não sei se estaria à altura da genialidade de Craig Thompson (tanto de sua arte quanto de sua narrativa). Então fica aqui este parágrafo para dizer que você precisa ler esta HQ!

Amanhã eu publicarei um post com as minhas metas literárias para 2018!

Como foi o seu ano de leituras? Qual foi o melhor livro que você leu em 2016? Conseguiu bater a sua meta?

Para 2018, desejo que a maioria dos livros lidos seja marcante. Desejo mais viagens literárias a lugares desconhecidos, mais encanto por novos autores e mais aventuras por diferentes gêneros. E que a gente consiga bater todas as nossas metas. Amém!

Obrigada de coração pela companhia por mais um ano! Feliz 2018 a todos!

Sobre o autor

Brenda Bellani

3 Comentários

  • Oies! Uau, realmente foi um ano repleto de leituras e obras incríveis. Também coloco muita pressão sobre mim em relação ao número de leituras, e parece que não me deixa em paz, sabe? Um número que acaba me perseguindo o ano todo, rs … Vou aproveitar esse post para conferir algumas resenhas de livros que me chamaram muita a atenção nesse ano, mas que infelizmente não consegui ler. 🙂 Bjos da Cah!

    • Oi, Cah!

      Acho isso que a gente faz – de colocar muita pressão em relação ao número de livros lidos e a ansiedade que isso gera – uma coisa muito louca. Porque a leitura era para ser o momento de paz e de lazer, né? Por isso que às vezes as metas têm o efeito contrário. Que em 2018 a gente consiga ler sem pressão, aproveitando o tempo que a gente precisar! <3

      Espero que as resenhas te ajudem a selecionar algumas leituras novas! 😉

      Beijo,
      Brenda

  • Feliz ano novo, Brenda! Sempre fico impressionada com os seus números, é muito inspirador ver tantas leituras. 🙂 Eu não estabeleci muitas metas pra este ano; sempre tenho em mente a meta dos 40 livros no ano, mas vamos ver.
    Ainda bem que eu não li Quem era ela e Piano vermelho – comecei e não me interessei muito, e pelo jeito não ia valer muito a pena mesmo.
    Habibi é mesmo maravilhoso, eu não canso de indicar essa HQ. Mas é difícil de resenhar mesmo, tem muitos sentimentos envolvidos!

Deixe um Comentário