Eu recomendo

Meu amigo Dahmer, de Derf Backderf

Meu amigo Dahmer, HQ

A HQ Meu amigo Dahmer conta a história da adolescência de Jeff Dahmer, um dos mais famosos serial killers dos EUA, narrada em primeiro pessoa por um amigo que estudou com ele no colégio.

O personagem que dá nome ao livro era um dos esquisitões da turma e, anos depois, viria a ser preso por 17 assassinatos em série. A HQ já seria tensa o suficiente se a história não fosse real.

Dahmer era homossexual e seduzia jovens para o seu apartamento, onde os matava, realizava atos sexuais com as cadáveres, arrancava a pele e os canibalizava.

Derf Beckderf, o quadrinista autor do livro, reconheceu Dahmer da época do ginásio em Ohio quando o seu rosto começou a aparecer em todos os noticiários após ser descoberto e preso em 1991. A notícia chocou o país!

Por anos, o quadrinista quis escrever esta história com a pesquisa e a dedicação que ela merecia. E assim surgiu a versão completa de Meu amigo Dahmer, lançada nos Estados Unidos em 2012, e publicada no Brasil em 2017, pela DarkSide, com tradução de Érico Assis e uma edição lindíssima.

Os anos da adolescência de Dahmer

Jeff Dahmer, garoto estranho

Quando a gente já sabe o que uma pessoa vai virar na vida adulta, é difícil imaginar que as pessoas não tenham percebido sinais enquanto ainda era tempo.

Backderf conviveu com Dahmer por vários anos, durante o ensino médio, em uma escola típica norte-americana. Jeff Dahmer era um dos garotos estranhos, sofria bullying e não tinha muitos amigos.

Mas ele era “engraçado”. A partir de certa idade, começou a tirar risos dos outros alunos da escola imitando os trejeitos de alguém com paralisia cerebral. Foi assim que ele conseguiu alguns colegas que se autointitulavam “Fã-Clube Dahmer”.

Pouco depois, ele começou a aparecer na escola sempre bêbado, exalando álcool, e a faltar às aulas. Ele era cuidadoso o suficiente para nunca ser pego no flagra enquanto bebia escondido pelos arredores da escola, mas os outros alunos sabiam que ele tinha um problema – e ninguém fez nada para ajudar.

Sobre negligência

 Meu amigo Dahmer, Derf Backderf

A frase que melhor resume a HQ é esta da imagem:

“Onde estava a porra dos adultos nessas horas?”

Nos anos 70, as escolas ainda não tinham a política de tolerância zero – os professores inclusive saíam para fumar com os alunos. Backderf se espanta o tempo todo de lembrar de coisas bizarras que eram consideradas normais naquela época (entre elas, achar graça no colega que imitava alguém com paralisia cerebral).

O politicamente incorreto passava sossegado pelo radar do bom senso das pessoas. Dahmer era praticamente invisível para os professores que poderiam ter notado os problemas dele e o ajudado.

Pior do que isso, na sua própria casa, a situação era insustentável. Os pais se odiavam e viviam brigando. Durante o colegial, eles se divorciaram e o pai se mudou. A mãe era viciada em remédios e tinha depressão profunda. Assim que o garoto se formou, ela pegou o filho mais novo e voltou para o seu estado natal, deixando Dahmer sozinho na casa (e ainda exigindo que ele mentisse para o pai sobre o paradeiro dela).

As pessoas que deveriam ajudá-lo estavam preocupadas com outras coisas ou tinham problemas ainda maiores.

Uma catástrofe evitável?

Jeff Dahmer, juventude perdida

Também foi nessa época de total negligência dos adultos que Dahmer começou a descobrir sua homossexualidade e a ter vontades eróticas doentias, como a de “controle total”, e instintos assassinos.

A pergunta que fica martelando a mente durante a leitura de Meu amigo Dahmer é: será que as coisas poderiam ter sido diferentes se ele tivesse recebido a ajuda que necessitava antes de se transformar definitivamente no psicopata que todo mundo conhece?

Será que 17 vidas teriam sido poupadas se ele passasse com um psiquiatra, fosse internado e medicado ou, simplesmente, tivesse qualquer pessoa que se importasse com ele e lhe desse atenção?

A sensação de catástrofe evitável é sufocante. A leitura, muito tensa.

Backderf escreveu também um prefácio e um capítulo de materiais extras, com fatos reais sobre Dahmer, explicando cada parte da graphic novel, suas fontes e outras histórias deixadas de fora.

Achei a HQ excelente, ela atinge totalmente sua proposta.

(Clique na imagem para ver todas as fotos da galeria.)

Adaptação para o cinema

Meu amigo Dahmer foi adaptado para o cinema e estreará em novembro de 2017!

Sobre o autor

Brenda Bellani

2 Comentários

Deixe um Comentário